A Cidade e o Ambiente Criminal: a interação entre a Escola Sociológica de Chicago e a Criminologia do Lugar na conjuntura da violência urbana.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
favela

Por: Reginaldo da Rocha Santos Sales

O fenômeno da criminalidade urbana aflige a sociedade contemporânea e suscita as mais variadas discussões e inquietações, destacadamente no âmbito da Criminologia, que tem buscado compreender a interconexão entre o ambiente da cidade e a prática de crimes violentos.

Com a Revolução Industrial do século XVIII, tem-se uma guinada no processo de ocupação dos espaços pelo homem que passa a enxergar o ambiente urbano como local propício a melhores oportunidades de vida.

Neste contexto há uma massificação da ocupação desordenada de espaços nas cidades e consequente precarização das condições de moradia e vida digna, fazendo recrudescer os riscos e conflitos acentuados pela desorganização urbana e social, especialmente no cenário da vida globalizada.

Logo, vê-se a imprescindibilidade do controle social formal e informal como instrumentos de regulação, disciplina e resolução das querelas, alicerçado no Contratualismo como pressuposto legitimante de tal controle.

Neste cenário, percebe-se um elo entre a evolução da organização social, a maximização dos embates, a Teoria Criminológica da Escola de Chicago e a Criminologia do Lugar.

Esta correlação advém da centralidade dos estudos na ambiência urbana enquanto fator de propulsão para a criminalidade violenta, bem como do pragmatismo aplicado na pretensão de redução e prevenção dos delitos violentos, através da intervenção na contextura ambiental.

A partir do modelo contratualista de Estado na sociedade moderna, o homem rompe com o paradigma absolutista da ampla liberdade, abandonando o estado natural originário e sem subordinação à autoridade política, para estabelecer o estado social.

O novo paradigma de sociedade, orientado pelo movimento racionalista, passa a refutar o pensamento teológico e dá início à concepção de instituições, separação de poderes e limitação normativa, tendo como substrato um contrato social hipotético na busca pela pacificação dos conflitos, através do controle social estatal.

Todavia este modelo de pacto social passa a enfrentar duras críticas em função da expressiva desigualdade social – marcadamente na sociedade contemporânea – fazendo surgir a teoria do Neocontratualismo cuja preocupação se inclina para o combate a tal desigualdade e a busca da justiça social.

Nesta contextualização de sociedade globalizada há uma profunda majoração da produção de riscos e tensões que, potencializados pela desordem urbana e social, culminam em ambiência criminal, exigindo cada vez mais a intervenção estatal por meio do Direito Penal.

Com isto o controle social formal – desempenhado pelos órgãos do Sistema de Justiça Penal – assume função elementar no controle e disciplina dos desvios sociais, sem olvidar do controle social informal exercido no seio da própria comunidade, através da família, religião, escola, dentre outros diversos atores (GUIMARÃES, 2019).

E assim ganha relevância o estudo desenvolvido na Escola Sociológica de Chicago – desde o início do século XX – que delineou a intrínseca conexão entre o desordenamento urbano, a desestruturação social e a criminalidade na cidade.

Àquela altura a cidade de Chicago já começava a sentir os impactos do crescimento urbano desordenado, com estratificação social e embates em diferentes aspectos da sociedade, razão pela qual a cidade passou a ser o objeto de estudo.

Por isso mesmo havia uma preocupação significativa com a utilidade do conhecimento a ser atingido mediante as pesquisas de campo, a fim de que tais estudos pudessem colaborar no enfrentamento das implicações inerentes à estrutura social vigente.

Essa observação oriunda da filosofia pragmática, concretizou-se pelo empirismo através da pesquisa de campo, correlacionando a minoração do controle social informal, a desordem do espaço urbano e a ocorrência de crimes violentos (PARK e BURGESS, 1921; PARK e MCKENZIE, 1984).

No recorte criminológico, os pesquisadores de Chicago evidenciaram o crime muito mais como uma consequência do desordenamento urbano e social do que um desvirtuamento individual, tendo em vista a constatação de maiores índices de crimes violentos em localidades  degradadas e com as maiores carências de diversas ordens.

Possível notar a importância de todo o estudo produzido pela Escola de Chicago, uma vez que não se limitou apenas na constatação da relação entre a defasagem estrutural urbana e a criminalidade.

Na verdade, seus estudiosos avançaram também para o apontamento de soluções não repressivas, a partir de políticas públicas de recuperação urbana e de inclusão social, no intuito de minorar a desigualdade e a inacessibilidade a instrumentos urbanos basilares para uma vida digna.

A interligação entre o ambiente físico e prática delituosa também é objeto de estudo da Criminologia do Lugar, que traça um elo entre ofensor, vítima, espaço e tempo, debruçando-se sobre a dimensão espaço-temporal e a interação humana (BRANTINGHAM; BRANTINGHAM, 1995).

Em contribuição a esta criminologia tem-se os estudos do Padrão Criminal, do Perfil Geográfico, da Teoria Situacional, da Escolha Racional, dentre outros, que se empenharam na determinação e explicação dos padrões comportamentais do criminoso a partir da relação com o ambiente em que inserido.

Aspecto relevante é o pressuposto de que o cometimento do crime não é um evento aleatório, na medida em que podem ser observados padrões relacionais à distribuição espacial e geográfica, trazendo a cabo que existe uma estrutura lógica do crime em dado lugar.

Seus estudiosos almejaram também entender aspectos como oportunidades para o crime, estratégias de decisão criminal e a relação entre a rotina do potencial criminoso e locais de crime.

Para isso, lançaram mão de análises sociodemográficas, temporais e espaciais com auxílio de mapas, objetivando a antevisão de crimes, assim como a identificação de variáveis ambientais que se correlacionam com o comportamento criminoso.

Apesar de algumas peculiaridades, é possível identificar grande similitude entre tais estudos, na medida em que o tronco comum de preocupação é a relação entre o crime e o espaço urbano em que inserido, enquanto fator de tensão e propiciação da atividade criminosa.

Outrossim, ambos demonstram atenção em relação ao restabelecimento dos vínculos sociais na comunidade, fortalecendo-se o controle social informal, como estratégia de minoração do processo de individualização urbana nas grandes cidades.

Talvez o principal ponto de interação entre tais pesquisas resida no pragmatismo que permeia seus estudos, tendo como objetivo maior a modificação ambiental como forma de prevenção à criminalidade.

Nesta perspectiva, uma parte da Criminologia lança – desde o século passado – sua atenção para o fenômeno criminal nas cidades, buscando compreender a influência do ambiente e a dinâmica urbana no cometimento de delitos, assim como almeja contribuir para a adoção de medidas que impliquem em redução e prevenção do crime.

Como se nota, revela-se imprescindível uma atuação das Instituições públicas e privadas na direção de supressão das omissões institucionais, especialmente das políticas públicas, seja na persecução de implementação das já existentes seja na contribuição e estímulo de novas medidas, até mesmo de ordem legislativa.

Aliado a estas intervenções, há um direcionamento sobre a necessidade de uma atuação mais próxima do problema e voltada para uma solução construída, dialogada e integrada com a comunidade, possuindo íntima ligação com a prevenção de conflitos, especialmente na esfera criminal.

Em última análise, vê-se uma postura ativa na busca da prevenção criminal, que sobeja o incremento do controle social formal pelos Órgãos do Sistema de Justiça Penal, demandando para além da obtenção de políticas públicas e planos de ação, uma intervenção construída sob a égide da coletividade, fomentando o controle social informal.

Por fim, voltando o olhar para a realidade local é possível identificar a atualidade e aplicabilidade das teorias da Escola Socioecológica de Chicago e da Criminologia do Lugar em qualquer grande centro urbano, como no caso da cidade de São Luís do Maranhão, e até mesmo nas cidades medianas que já experimentam tal problemática.


REFERÊNCIAS

BRANTINGHAM, Patricia L.; BRANTINGHAM, Paul J. Criminality of place. European journal on criminal policy and research, v. 3, n. 3, 1995.

GUIMARÃES, Cláudio Alberto Gabriel. Gestão de Segurança Pública e cidades: o papel dos Municípios no combate à violência. 2019. 100 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Policiais). Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna – ISCPSI, Lisboa, Portugal, 2019.

PARK, Robert E.; BURGESS, Ernest W. Introduction to the science of sociology. Chicago: The University of Chicago Press, 1921.

_________________; MCKENZIE, R. The City. Suggestions for investigation of human behavior in the urban environment. Chicago: Midway, 1984.

Autor

  • Bacharel em Direito pela Universidade Federal do Maranhão – UFMA. Especialista pelo Instituto Brasiliense de Direito Processual – IDP. Mestrando em Direito e Instituições do Sistema de Justiça pela Universidade Federal do Maranhão – UFMA. Assessor de Procurador de Justiça no Ministério Público do Estado do Maranhão

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp

Deixe seu comentário

Assine nossa news e mantenha-se ATUALIZADO
Siga nossas redes sociais

I SEMINÁRIO JURÍDICO
INTERDISCIPLINAR
06/05, ÀS 19H GRATUITO INSCREVA-SE AGORA

Notícias

Enviar mensagem
Precisa de ajuda?
Precisa de ajuda?