Afastamento das Gestantes e das Lactantes do Trabalho em Atividades Insalubres: como as empresas devem proceder

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
gestante

Por: Ana Dino Figueiredo

A reforma trabalhista introduziu na Consolidação das Leis do Trabalho –CLT o artigo 394-A, que previa o afastamento das gestantes das atividades consideradas insalubres em grau máximo, enquanto durasse a gestação. Entretanto, se a insalubridade fosse em graus médio ou mínimo, o afastamento das gestantes só ocorreria quando apresentado atestado de saúde, emitido por médico de sua confiança, recomendando o afastamento durante a gestação.

Quanto às lactantes, o normativo previa o afastamento das atividades consideradas insalubres em qualquer grau, quando apresentado atestado de saúde, emitido por médico de sua confiança, recomendando o afastamento durante a lactação.

Parte da redação original desse dispositivo foi declarada inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal – STF no primeiro semestre de 2019, no bojo da ADI 5938, de relatoria do Ministro Alexandre de Moraes, de forma que o afastamento das gestantes e lactantes do trabalho se tornou imperativo, independentemente do grau de insalubridade no ambiente laboral, sendo inexigível a apresentação de atestado de saúde recomendando o afastamento.

O texto hoje vigente do art. 394-A da CLT é o seguinte:

“Art. 394-A. Sem prejuízo de sua remuneração, nesta incluído o valor do adicional de insalubridade, a empregada deverá ser afastada de:

I – atividades consideradas insalubres em grau máximo, enquanto durar a gestação;

II – atividades consideradas insalubres em grau médio ou mínimo, durante a gestação;

III – atividades consideradas insalubres em qualquer grau, durante a lactação.

§ 1o (VETADO)

§ 2o Cabe à empresa pagar o adicional de insalubridade à gestante ou à lactante, efetivando-se a compensação, observado o disposto no art. 248 da Constituição Federal, por ocasião do recolhimento das contribuições incidentes sobre a folha de salários e demais rendimentos pagos ou creditados, a qualquer título, à pessoa física que lhe preste serviço.

§ 3o Quando não for possível que a gestante ou a lactante afastada nos termos do caput deste artigo exerça suas atividades em local salubre na empresa, a hipótese será considerada como gravidez de risco e ensejará a percepção de salário-maternidade, nos termos da Lei no 8.213, de 24 de julho de 1991, durante todo o período de afastamento”.

À luz do dispositivo legal em vigor, caso a trabalhadora exerça suas atividades em local insalubre e venha a engravidar, deve, assim que comunicado o fato à empresa, passar a laborar em lugar totalmente salubre, situação que deverá perdurar durante toda a gravidez e a lactação por até seis meses após o parto (período estabelecido pelo art. 396 da CLT).

A pergunta que se coloca é: o que fazer se, em razão da natureza do trabalho ou do perfil da empresa, não for possível que a gestante ou a lactante labore em local
isento de insalubridade?

Nesse caso, a gestação é considerada de risco e a trabalhadora deve ser afastada, enquanto durar a gestação, e também durante a lactação (por até seis meses
após o parto), com o recebimento de salário-maternidade, sem ônus final para o empregador.

Explica-se: nos termos da Solução de Consulta nº 287, de 14.10.2019, emitida pela Receita Federal (SC COSIT nº 287/2019), “segundo a previsão legal objeto do artigo 394-A, e § 3º, da CLT, ao contribuinte é permitido o direito à dedução integral do salário-maternidade, durante todo o período de afastamento, quando proveniente da impossibilidade de a gestante ou lactante, afastada em face de atividades consideradas insalubres, e esta não possa exercer suas atividades em local salubre na empresa, restando caracterizada a hipótese como gravidez de risco”.

Tratando-se de trabalhadora de empresa terceirizada, a SC COSIT nº 287/2019 dispõe que “a empregadora precisa comprovar a impossibilidade de exercício de função em ambiente salubre de seu(s) estabelecimento(s) ou de outra contratante de seus serviços de terceirização e não somente no estabelecimento da empresa onde a gestante estava alocada”.

Ou seja, não sendo possível o trabalho da gestante ou da lactante em local salubre, deverá permanecer afastada percebendo salário-maternidade (sem prejuízo da
sua remuneração, nesta incluído o valor do adicional de insalubridade) durante todo o período de afastamento, correspondente ao tempo da gestação e aos primeiros seis meses de lactação.

Ainda que o empregador arque diretamente com o salário-maternidade, esse ônus, ao final, será do INSS, em razão da compensação dos valores pagos a esse título, que deverá ser feita mensalmente no conjunto dos recolhimentos previdenciários realizados pela empresa.

A Confederação Nacional de Saúde – CNSaúde (à qual se vincula o Sindicato dos Estabelecimento Prestadores de Serviços de saúde em São Luís – SINDHOSP/SL, presidido pelo Dr. Pedro Wanderley de Aragão), questionou o INSS sobre a aplicação do artigo 394-A da CLT e da SC COSIT nº 287/2019 (por meio do Ofício nº 239, de 12.09.2019), obtendo como resposta, em janeiro de 2020, a reiteração de que a obrigação pelo pagamento do salário-maternidade durante o afastamento da trabalhadora previsto nos citados normativos é do empregador, que deve realizar a compensação quando do recolhimento das demais obrigações previdenciárias da empresa (cf. Despacho da Diretoria de Benefícios no Processo nº 35000.002617/2019- 62).

A questão, portanto, está regulamentada tanto na CLT quanto pela Receita Federal, tendo sido objeto de pronunciamento do Supremo Tribunal Federal (na ADI 5938) e do INSS (no Processo nº 35000.002617/2019-62), o que confere segurança jurídica aos empregadores face à solução legalmente aplicável em caso de inexistência de local salubre onde as trabalhadoras gestantes e lactantes possam exercer suas atividades.

Autor

  • Mestranda em Ciências Jurídica pela Universidade Autònoma de Lisboa “Luís de Camões” – UAL (Lisboa, Portugal). Especialista em Direito Civil pela Universidade Anhanguera/Uniderp (São Paulo/Mato Grosso do Sul, Brasil, 2020). Especialista em Direito Processual Civil pela Universidade Ceuma (Maranhão, Brasil, 2001). Advogada. Professora do curso de Direito do Instituto Florence de Ensino Superior

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp

Deixe seu comentário

Assine nossa news e mantenha-se ATUALIZADO
Siga nossas redes sociais

Slide QUERO TURBINAR MINHA PRODUÇÃO ACADÊMICA Prof. Maiquel Wermuth

Turbine seu currículo lattes;
Tenha sucesso no seu tcc;
Alcance mais autonomia e produtividade;
Evite estresse, frustrações e perda de tempo;

Notícias

Enviar mensagem
Precisa de ajuda?
Precisa de ajuda?