STF Valida Lei que Proíbe Testes de Cosméticos em Animais

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
testes-animais

Por maioria dos votos, o plenário do STF julgou nesta quinta-feira, 27, como constitucional a proibição de testes de cosméticos em animais. A ação foi ajuizada em 2018 pela ABIHPEC – Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos contra a lei 7.814/17 do Estado do Rio de Janeiro. A lei dispõe sobre a “proibição da utilização de animais para desenvolvimento, experimentos e testes de produtos cosméticos, higiene pessoal, perfumes, limpeza e seus componentes, no âmbito do Estado do Rio de Janeiro, sem prejuízo de proibições e sanções previstas em outros dispositivos legais: municipal, estadual ou Federal”.

Os ministros também decidiram que, embora o Estado-membro possa, sim, dispor sobre a proibição dos testes; o ente-federado não pode proibir a comercialização de produtos testados em animais, pois é competência privativa da União legislar sobre comércio interestadual. O Ministro Nunes Marques foi o único a não votar a favor do projeto sob a alegação de que a proibição deve ser feita pela União, em disciplina uniforme. Nunes Marques, frisou que não é despropositado imaginar que a permissão para que Estados legislem sobre a proteção de animais na atividade industrial pode conduzi-los a uma guerra de regulamentação, semelhante àquela que se passou com os tributos. “Uma regulamentação fragmentada pode levar a perplexidades”, afirmou.

Para os ministros Luiz Fux, Marco Aurélio e Carmen Lúcia, a lei trata de um “avanço de humanidade” e não há nenhuma inconstitucionalidade na norma. Edson Fachin e Rosa Weber também julgaram constitucional o teor da Lei.  Gilmar Mendes acolheu o pedido da Associação de forma parcial, de modo a validar a proibição de testes em animais, mas julgou inconstitucional a proibição da comercialização dos produtos testados em animais e a obrigação de rotulagem aos produtos cosméticos. No entanto entendeu que o parágrafo único da lei e o seu artigo 4º – que regulam a comercialização e a rotulagem dos produtos testados em animais – afronta a CF: “a vedação imposta genericamente a toda e qualquer produto no Estado do RJ sema distinção de sua respectiva origem parece invadir a própria competência da União para legislar sobre comércio interestadual”.

Ainda, o ministro Alexandre de Moraes frisou que todos os entes federados têm o dever da proteção da fauna e da flora. Para Moraes, a lei Federal excepcionou o uso de animais apenas para ensino e pesquisa científica: “a regra é a proteção aos animais”, não incluindo os testes para indústrias cosméticas.

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp

Deixe seu comentário

Assine nossa news e mantenha-se ATUALIZADO
Siga nossas redes sociais

GARANTIR MINHA VAGA AGORA Painel 1:
Impactos da pandemia nas relações trabalhistas

Painel 2:
Desafios do consumidor durante a pandemia


-100% ONLINE e GRATUITO-

Artigos

Enviar mensagem
Precisa de ajuda?
Precisa de ajuda?